Live, 05 de abril: "O Samba de Belo Horizonte: memória, história e patrimônio cultural". - CARNA BH

terça-feira, 23 de março de 2021

Live, 05 de abril: "O Samba de Belo Horizonte: memória, história e patrimônio cultural".

 Live “O Samba de Belo Horizonte: memória, história e patrimônio cultural”, com participação do escritor e historiador Luiz Antônio Simas

No dia 05 de abril de 2021, às 19:30, o Coletivo de Sambistas Mestre Conga realizará sua primeira ação direcionada ao público em geral: a live “O Samba de Belo Horizonte: memória, história e patrimônio Cultura Imaterial com a participação do escritor e historiador Luiz Antônio Simas
A live será realizada e exibida pela plataforma do Emergência Cultural no Youtube.https://www.youtube.com/channel/UCUmQS9V8YwXpvQyuX797MWw



LUIZ ANTÔNIO SIMAS - CONVIDADO ESPECIAL

 (Rio de Janeiro2 de novembro de 1967estuda a cultura de rua do Brasil. Carnaval, botequim, futebol, terreiros, rodas de samba. É um escritor, professor e historiadorcompositor brasileiro e babalaô no culto de Ifá. Ganhado do premio Jabuti, 2016, junto com Nei Lopes, como o livro Dicionário da História Social do Samba. Professor de História no ensino médio, é mestre em História Social pela Universidade Federal do Rio de JaneiroSimas já trabalhou como consultor de acervo da área de Música de Carnaval do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, e como jurado do Estandarte de Ouro, maior premiação do Carnaval carioca. Foi também colunista do jornal O Dia, e desenvolveu o projeto "Ágoras Cariocas", de aulas ao ar livre sobre a história do Rio de Janeiro. Em seus livros, procura resgatar a memória oral da cidade, especialmente da população marginalizadaSimas é também compositor, tuiteiro, podcaster e pensador que influencia a cultura popular contemporânea. Esteve presente no último disco de Marcelo D2, no documentário Fevereiros, sobre Maria Bethânia, nos novos trabalhos das cantoras Fabiana Cozza e Jéssica Ellen, entre tantas outras.  

A live 

O objetivo da live é refletir com setores da sociedade sobre a viabilização do samba produzido  na capital mineira e estado como patrimônio cultural reconhecido pelo poder público e pela sociedade.

Assim, contará com a participação de autoridades da Prefeitura de Belo Horizonte: Secretário Municipal Adjunto da Secretaria de Cultura de BH, Gabriel Portella, da Diretora de Patrimônio Cultural e Arquivo Público, Françoise Jean de Oliveira.

Também terá a participação de acadêmicos como Bruno Viveiros de Castro – Professor Estácio-BH / Projeto República da UFMG e  José Newton, historiador e professor da UFMG que foi responsável pelo Dossiê Interpretativo do Registro do Queijo Artesanal de Minas Gerais como Patrimônio da Cultura Imaterial do Brasil,  pelo IEPHA.

Arte Homenagem : Arquivo CarnaBH

Sambistas e pesquisadoras/pesquisadores que compõem o Coletivo de Sambistas também participarão: Donelisa, cantora e compositora da VG(Velha Guarda) de Belo Horizonte, ganhadora do prêmio Mestres da Cultura Popular 2020,  pela Secretaria Municipal de Cultura de BH; Léo de Jesus, arquiteto, urbanista, carnavalesco, mestre sala e vice-presidente da Escola de Samba Acadêmicos de Venda Nova de Belo Horizonte; Marcos Maia, historiador, produtor cultural, curador de exposições e mostras de cinema sobre samba e carnaval; Mário César, sambista, favelado, diretor da Escola de Samba Unidos Guaranis e historiador; Nonato do Samba, cantor, compositor e ganhador do prêmio Mestres da Cultura Popular 2020  pela Secretaria Municipal de Cultura de BH; Zu Moreira,  jornalista e idealizador do projeto Almanaque do Samba; a mediação será de Marcos Maia e a apresentação de Rosane Pires Viana, professora, produtora e idealizadora do grupo de mulheres sambistas: Samba Roda de Saia.

O Coletivo  possui uma coordenação que se reúne semanalmente (quartas-feiras) via plataforma google meet e conta com um  grupo de whatsapp, sendo formado por nomes expressivos do samba da capital mineira, como: Eliete Ná, Fabinho do Terreiro, Barrão, Bira Favela, Cacá do Bar do Cacá, Mandruvá, Nonato do Samba, Leo de Jesus, Carlitos Brasil, Dóris do Samba,, Rosane Pires Viana, Geraldo Magnata, Zu Moreira, Barrão, Tarcizo da VG(Velha Guarda), Geraldo Magnata, Fernando Bento, Jussara Preta, Rudney do Cavaco, dentre vários outros artistas e estudiosos do samba.

logo: criação coletiva 

A live "O Samba de Belo Horizonte: memória, história e patrimônio cultural", será uma oportunidade de dialogar com poder público, universidades, artistas e instituições de samba  e intelectuais de renome nacional como Luiz Antônio Simas. A ideia é utilizar esse momento de distanciamento social provocado pela COVID 19, para refletir e viabilizar ações que valorizem os artistas sambistas e áreas afins, reunindo e discutindo  as realidades e  a importância de reconhecimentos pela história de um legado existente  pouco retratado e  documentado em Belo Horizonte. O primeiro passo é o reconhecimento do Samba de Belo Horizonte como Patrimônio Cultural Imaterial.

A live conta com o apoio da  Midia Ninja, Emergência Cultural, LD Vídeo Produtora.

Entra no link  e confira as artes do evento -  https://www.facebook.com/media/set/?vanity=carnabhmg&set=a.1085233725307014

CONFIRA A LISTA DE CONVIDADOS QUE ESTARÃO  NA MESA:

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado


BRUNO VIVEIROS DE CASTRO

Professor do Centro Universitário Estácio de Belo Horizonte. Doutor em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Autor dos livros “Venda Nova” (Conceito Editorial, 2021) e “Som Imaginário: a reinvenção da cidade nas canções do Clube da Esquina” (Editora UFMG, 2009). Pesquisador do Projeto República: núcleo de pesquisa, documentação e memória/UFMG e do Centro de Memória do Rádio do Departamento de Comunicação/UFMG. Curador das exposições Canção Amiga - Clube da Esquina (2017) e Da Janela Lateral (2017) pelo Centro de Referência da Música de Minas da Escola de Música/UFMG. Produtor e apresentador do programa Decantando a República da Rádio UFMG Educativa 104,5 FM.

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal da convidada

DONELISA (ANA ELISA DE SOUZA)

Donelisa é compositora e intérprete da Velha Guarda de Belo Horizonte, ganhadora do prêmio Mestres da Cultura Popular 2020,  pela Secretaria Municipal de Cultura de BH. Participou como uma das principais personagens do documentário "Roda" (sobre a velha guarda de BH). Foi compositora e intérprete de escolas de samba de Belo Horizonte, como a escola de samba Cidade Jardim. Donellisa lançou seu primeiro CD em 2017 chamado Diploma da Vida e tem centenas de sambas que pretende gravar. É referência do samba de Belo Horizonte e Minas Gerais.


Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal da convidada

FRANÇOISE JEAN

Diretora de Patrimônio e Arquivo Público de Belo Horizonte. Doutora em história pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi diretora de proteção e memória do IEPHA.

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado

 GABRIEL  PORTELA 
Secretário Municipal Adjunto de Cultura  de Belo Horizonte. Foi assessor especial na Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Foi coordenador em  SPC- CINE.

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado


JOSÉ NEWTON 
MENESES 

Professor do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais e orientador pleno no Programa de Pós-Graduação em História/FAFICH/UFMG. Coordenou este Programa de Pós Graduação e foi Chefe do Departamento. É diretor do Centro de Estudos Mineiros da FAFICH/UFMG e Investigador no Brasil da Rede DIAITA-Patrimônio Alimentar na Lusofonia. Foi responsável pelo Dossiê Interpretativo do Registro do Queijo Artesanal de Minas Gerais como Patrimônio da Cultura Imaterial do Brasil, pelo IPHAN. É Diretor do Polo UFMG da Cátedra da UNESCO/Universidade de Évora - Patrimônio Imaterial.


Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado

LÉO  DE JESUS

Natural de Brumadinho/MG.  Arquiteto Urbanista e Carnavalesco. Vice-presidente do GRES-Acadêmicos de Venda Nova  de BH. Rei Momo do Carnaval de Belo Horizonte 2013. Coreógrafo afro da Associação Cultural Odum Orixás. Cenógrafo Alegórico. Mestre Sala. Criador e Coordenador do Bloco Afrodum. Criador do Canal e blog CarnaBH. Compõe o Júri do Arraial de BH. Premiado pela UNICEF - Documentário "Mulher, Negra, Mulher". Projetos relevantes : Sambódromo/Quadrilódromo de BH "Ataulfo Alves"- Espaço Multi Funcional e dedicado às Culturas Populares e Tradicionais Urbanas; Projeto básico - Barracão de agremiação de Samba; O Centro de Tradições Étnicas e Cidade do Circo (Estação Gameleira-BH).

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado

MARCOS MAIA

Historiador formado pela UFMG. Pesquisador e produtor do documentário “RODA” com a Velha Guarda de BH (2011); co-criador do projeto “Associação Velha Guarda da Faculdade do Samba”; curador da exposição "Narrativas do Samba e do Carnaval de Belo Horizonte" (2013, Museu Histórico Abílio Barreto); curador das seguintes mostras no MIS - BH: “Imagens e Sons do Carnaval de Belo Horizonte, 2017; "Mostra Carnaval e Cinema", 2018; "3a Mostra de Cinema, Samba e Carnaval", 2019; comentarista da rádio Itatiaia nos desfiles de Escolas de Samba do Carnaval e Blocos Caricatos nos carnavais de 2019 e 2020. 

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado

MÁRIO CÉSAR

Professor de história, Compositor que se formou no berço do samba de Belo Horizonte, a favela Pedreira Prado Lopes, onde nasceu a primeira escola de samba de BH, a Escola de Samba Pedreira Unida, em 1937. Herdeiro direto dessa tradição, Mário César é compositor, fundador da velha guarda da Escola de Samba Unidos Guarani, escola de samba da Pedreira Prado Lopes, sendo presidente dessa escola de samba por vinte anos. Mário é Pós graduado em "História da Cultura Afro-Brasileira", passista, mestre sala e enredista.  Também é integrante do  GRES-Império Serrano( Rio) deste 1996.

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado


NONATO DO SAMBA

Participou 1978, da escola de samba Unidos de Monte Castelo, escola dirigida pela saudosa compositora e sambista Lourdes Maria. Na década de 1980, no auge dos desfiles de escolas de samba em Belo Horizonte, fez parte dos grupos Raízes do Samba e depois A cor do Samba. Foi campeão em 2020 como melhor intérprete de samba-enredo do concurso de escolas de samba do Carnaval de Belo Horizonte como intérprete da Escola de Samba Canto da Alvorada – escola também campeã do Carnaval de Belo Horizonte 2020. Nos dias 24 de outubro e 07 de novembro defendeu o samba-enredo de Bruno Vidal (componente da ala de compositores da Império Serrano) nas eliminatórias de escolha do samba-enredo da Escola de Samba Império Serrano, Rio de Janeiro. Atualmente o sambista mineiro está trabalhando no lançamento nas redes sociais do álbum “40 anos de carreira de Nonato do Samba”, patrocinado pela Lei Aldir Blanc – Minas Gerais.

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal da convidada

ROSANE PIRES VIANA

Rosane Pires Viana é Mulher Negra Belohorizontina, Mestre em Teoria da Literatura UFMG, Professora e Gestora na Escola Municipal Francisca Alves, Pesquisadora das Relações Étnico Raciais, Produtora Cultural e Idealizadora do Projeto Samba na Roda da Saia que proporciona o empoderamento das mulheres vinculadas ao Samba, possibilitando-lhes voz e vez!

Imagem cedida ao coletivo: arquivo pessoal do convidado

 ZU MOREIRA

Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Belo Horizonte (Fafi-Bh), atual Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH), o jornalista Zuzileison Oliveira Moreira (Zu Moreira) trabalha há mais de 10 anos na imprensa mineira, com passagem pelos principais jornais do Estado – Diário do Comércio, Diário da Tarde/Estado de Minas e O Tempo. Já presenciou vários fatos que marcaram a história de Minas Gerais e do Brasil, com destaque para a Cúpula de Ouro Preto (Reunião de Cúpula do Mercosul), Metrópoles (Encontro Internacional de Metrópoles da América Latina e Caribe) eleições presidenciais de 2002, evento Oil & Gas (maior feira do setor de petróleo da América Latina), bem como inauguração de importantes empreendimentos de diversos setores da economia. Atua ainda na área cultural, tendo participado de projetos culturais, como Festival Internacional de Cultura Popular - Vozes de Mestres. Também prestou serviços de assessoria de imprensa e publicou um livro: Uma Praça, Uma Saudade - Resgate Histórico e Sentimental do Bairro Saudade.

 Texto coletivo:  Edição Léo de jesus.

2 comentários:

  1. Grande momento do Samba de Belo Horizonte 👏🏾👏🏾👏🏾

    ResponderExcluir
  2. Avaliando a ousadia como marca do samba, sinalizo e prevejo grandes vitórias nessa proposição do Coletivo de Sambistas Mestre Conga.

    ResponderExcluir