Escândalo - Escola de Samba Cidade Jardim considera ilegítima a vitória da escola campeã do carnaval de BH 2018. - CARNA BH

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Escândalo - Escola de Samba Cidade Jardim considera ilegítima a vitória da escola campeã do carnaval de BH 2018.



 A organização do GRES-Cidade Jardim entregou nesta segunda feira dia 19 de fevereiro  uma 
Carta ao prefeito  de belo Horizonte Alexandre Kalil onde  a agremiação demonstra todo seu descontamento  com o concurso de 2018 realizado na Av. Afonso Pena, no que diz a respeito ao julgamento do desfile das escolas de samba.



Confira  a carta na integra 
Postada nas redes sociais da agremiação

https://www.facebook.com/search/top/?q=gres%20cidade%20jardim




Carta aberta ao prefeito Alexandre Kalil acerca do julgamento do desfile das escolas de samba
Senhor prefeito Alexandre Kalil,

Belo Horizonte é a grande novidade entre os carnavais do Brasil. A capital mineira vive um crescimento vertiginoso da sua folia e hoje já se coloca novamente entre os destaques nacionais. Junto com fortalecimento dos blocos de rua, o desfile das escolas de samba também ganha mais protagonismo a cada ano. Mas é com profundo pesar que a Escola de Samba Cidade Jardim vem a público manifestar sua indignação quanto ao julgamento do desfile das escolas de samba de Belo Horizonte, realizado na ultima sexta-feira (17/02), no Parque Municipal. Todo o processo apresentou sinais claros de manipulação para privilegiar a Escola de Samba Canto do Alvorada, que de forma ilegítima foi declarada vitoriosa pela Belotur.
Cabe ressaltar que o processo apresenta irregularidades antes mesmo das escolas pisarem na avenida, na terça-feira de Carnaval. A Canto da Alvorada decidiu não desfilar em 2017, o que necessariamente teria que repercutir em algum tipo de punição neste ano. Mas o confuso regulamento elaborado pela Belotur fez questão de proteger a referida escola. Ao invés de punida, ela ficou em situação de vantagem sobre as outras, que até o final do ano estavam pagando dívidas do desfile do ano anterior, enquanto ela teve dois anos pra preparar a sua apresentação.
Mesmo em situação privilegiada, sua superioridade não foi demonstrada na avenida, pelo contrário. Após dez minutos em que havia entrado na passarela, a Belotur interrompeu a apresentação alegando problemas técnicos. Vale registrar que não aconteceu nada semelhante com os 11 blocos caricatos e outras cinco escolas. Segundo denúncias, a paralisação teve como objetivo aguardar um destaque na Canto da Alvorada que havia se atrasado.
Na última sexta-feira, na cerimônia da apuração do resultado, ficou nítida a íntima relação da Escola Canto do Alvorada com representantes da Belotur e a firma julgadora contratada pela Prefeitura para coordenar a avaliação. As três partes estavam reunidas atrás do palco antes do anúncio do resultado. Estava presente na conversa um ex-diretor da Belotur, que atualmente é assessor do vereador Léo Burguês, líder do prefeito na Câmara e apoiador da Canto da Alvorada. Ao começarem a ser lidas as notas, ficou mais claro todo o processo de manipulação. Como o resultado já estava determinado, a situação levou a grande constrangimento aos que estavam lendo as notas.
Dali para frente o que se viu foi um processo vexatório. Numa cena que entrará para a história do nosso carnaval, como um dos seus capítulos mais tristes, o telão que mostrava o resultado foi desligado, seguido de um silêncio dos que anunciariam o resultado. Após manifestação de revolta de membros da nossa Cidade Jardim, constrangidos, os representantes da Belotur anunciaram uma decisão que colocava nossa escola em 4o lugar e a Canto da Alvorada, claro, em primeiro. A ausência do presidente da Belotur, Aluizer Malab, que entregou o troféu dos blocos caricatos e retirou-se da parte mais importante da cerimônia de apuração, simbolizou a vergonhosa situação ocorrida.
Aquele placar contrariava a própria leitura manipulada das notas feita anteriormente e a atitude dos representantes da Cidade Jardim foi a de se retirar do local em protesto e não aceitação do resultado. Após algum tempo, já com a escola fora do local de apuração, a comissão julgadora voltou atrás e anunciou a Cidade Jardim em segundo lugar.

Entretanto, não será este recuo da Belotur que vai nos fazer calar. Quando a Cidade Jardim tomou a difícil decisão de fazer esta denúncia foi pensando não na própria escola, mas no respeito e legitimidade do Carnaval de Belo Horizonte. Nossa escola tem uma tradição de 57 anos. Já fomos campeões e já fomos rebaixados, mas sempre primamos pela hombridade.
Se a intenção da Prefeitura é realmente investir no Carnaval e tratá-lo com respeito e honestidade tem que tomar uma atitude enérgica e imediata. Abrir uma sindicância para apurar a capacidade e idoneidade da firma julgadora contratada pela Belotur, assim como investigar a forma em que foi realizada a sua contratação. Apurar também o possível tráfico de influência exercida por representantes do executivo e do legislativo municipal no processo de julgamento do resultado da disputa das escolas de samba.
Certos de estar exercendo o pleno exercício de cidadania e em nome do Carnaval de Belo Horizonte, esperamos que a atitude do Prefeito Alexandre Kalil seja de apurar as denúncias e não deixar seu governo ser manchado por aqueles que colocaram seus interesses individuais acima dos interesses públicos.
Belo Horizonte, 18 de fevereiro de 2018
A diretoria da Escola de Samba Cidade Jardim

Um comentário:

  1. EU SÓ DIGO QUE COM O CRESCIMENTO DO CARNAVAL A CIDADE SÓ TEM A GANHAR POIS CONSEGUIU SEGURAR O POVÃO AQUI EM BH OS HOTÉIS E POUSADAS AGRADECEM A RECEITA AUMENTOU AGORA O QUE FALTA É UM POUCO DE RESPEITO COM AS ESCOLAS DE SAMBAS E BLOCOS CARICATOS PORQUE É PURA INGRATIDÃO O QUE A BELOTUR E A PREFEITURA DE BELO HORIZONTE FAZ COM AS ESCOLAS DE SAMBA E BLOCOS CARICATOS AQUI NESTA CIDADE POIS NO DIA DO DESFILE IMPROVISA UMA ARQUIBANCADA PELA METADE E NO DIA DO RESULTADO IMPROVISA UM LOCAL SEM O MINIMO DE SEGURANÇA COLOCANDO VARIAS PESSOAS CORRENDO O RISCO NO CASO DE ALGUMA AGREMIAÇÃO NÃO CONCORDAR COM O RESULTADO ISTO É SEM CONTAR QUE GANHAMOS NO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE 2006 O SAMBÓDROMO DE BELO HORIZONTE QUE SERIA CONSTRUIDO NA 240 MAS APARECERAM ALGUNS CONTRAS DIZENDO QUE O LOCAL ERA LONGE E A PREFEITURA APROVEITOU A BRECHA E ENGAVETOU O PROJETO GOSTARIAMOS ENTÃO QUE O ENTÃO PREFEITO DE BELO HORIZONTE DESSE UMA RESPOSTA PARA NÓS QUE SOMOS OS VOLUNTARIOS DOS EVENTOS POPULARES DESSA CIDADE E APROVEITO AQUI PARA CONVIDAR A TODOS PARA QUE JUNTOS ENTREMOS NESTA LUTA PELO SAMBÓDROMO......ABRAÇOS DO MÉA

    ResponderExcluir