Janeiro 2018 - CARNA BH

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Bloco AfrOdum sai as ruas de BH com as Raízes Do Buriti

02:58 0
 Bloco AfrOdum sai as ruas de BH   com  as Raízes Do Buriti

Bloco AfrOdum  trouxe uma pegada de resistência e alegria quilombola com  Raízes Do Buriti  para o Carnaval  de BH 2018



Em seu Segundo Desfile  no Carnaval da capital  sendo seu primeiro em 2005 na via 240  com a temática "Zumbi Resistimos Por Aqui". Em 2018 o Bloco da Associação Cultural Odum Orixás  agora com o  nome de Afrodum trás para as ruas e  atona   a cultura quilombola de Buriti do Meio em cortejo afro brasileiro   no Carnaval  de BH.
Em suas duas participações o bloco contou com a idealização, organização e direção do arquiteto, carnavalesco, rei momo 2013 de BH, Coord.Adm. Ass. Cultural Odum Orixás, coreógrafo e vice presidente da escola de samba Acadêmicos de Venda Nova, penta  campeã em 2017, Leo de Jesus.

Com uma pegada de resistência e alegria, o Bloco AfrOdum   realizou majestoso cortejo no Carnaval  de BH 2018, no último dia 28 de janeiro das 14hs às 18hs. Com concentração na rua Carandaí, enfrente ao Colégio Arnaldo, o cortejo seguiu pela Av. Brasil  e arrastou centenas de pessoas, acumulando milhares em sua dispersão, enfrente ao monumento Zumbi dos Palmares na praça Floriano Peixoto. O percussionista  Josè  Nilson conduziu  a percussão com 45 ritmistas que fizeram bastante barulho  e deram o tom do afoxé as ruas. 
O Bloco contou com a presença de cinco membros do quilombo homenageado pelo bloco, Buriti  Do Meio, comunidade  do norte de Minas.Flávia, Ezaquiel, Maria Lucia, Cássia e Maria das Neves, eles trouxeram pra expor e vender artigos de sua cultura local como vasos  e utensílios de barro artesanais, além de deliciosas frutas silvestre do cerrado como: umbu, pitomba e pequi.

Durante todo cortejo  as mulheres quilombolas  conduziram o bloco com suas cantigas tradicionais envolvendo a todos  com alegria e animando  o cortejo.

As pinturas e  colagens nos rostos expressavam as origens africanas  no Brasil.

O Abadá  e o figurino 

Ambos inspirados na iconografia  artística de pinturas dos potes  artesanais da comunidade do Buriti, sempre em tons terrosos, avermelhados e rosas.
Arte concebida à partir de pesquisa realizada pelo Arquiteto  Urbanista, Leo de Jesus,  para idealização do abadá.
A cor da Camiseta foi escolhida pelo Grupo Odum Orixás, que acertou em cheio também, por ter uma leitura que exprime bem a cor do pequi, fruto típico do cerrado Buritinense.  A idéia que as mulheres fossem de saias coloridas e turbantes  e homens de calças
"Parti da ideal, do principal produto realizado pelos artesãos da comunidade que são os potes, as flores de formas rudimentares, símbolos  identificados e explicados pela artesã Maria das Neves como de: caracol, coruja, galinha dentre outros.
claras ", explicou  o Arquiteto pesquisador.